Ads Top

# O Amor de um Homem com TOC

Um dos vídeos mais lindos, curtos, sinceros e tocantes que vi por aí.



É claramente possível ver o quanto o Transtorno Obsessivo Compulsivo pode ser aterrador para alguém, mas a maneira como Neil Hilborn fala sobre seu grande amor define totalmente o quanto uma pessoa pode mudar a vida da outra.


"Na primeira vez que eu a vi, tudo na minha cabeça ficou quieto.
Todos os tiques, as imagens que se atualizavam constantemente, apenas sumiram.
Quando você tem transtorno obsessivo compulsivo, 
você realmente não consegue momentos de quietude.
Até na cama, estou pensando:
- Tranquei a porta? - Sim
- Desliguei as luzes? - Sim
Mas quando eu a vi, a única coisa que eu podia pensar
era a curva de seus lábios ou no cílio na bochecha dela, 
o cílio na bochecha dela.
Eu sabia que tinha que falar com ela.
Eu a convidei para sair, umas 6 vezes em 30 segundos.
Ela disse sim depois da 3ª vez, mas nenhuma me pareceu certa, 
então eu tinha que continuar.
No nosso primeiro encontro, eu passei mais tempo organizando a minha comida
por cor, do que comendo... ou falando com ela.
Mas ela amou.
Ela amou eu ter que dar um beijo de boa noite nela, 
16 vezes ou 24 se fosse uma quarta-feira.
Ela amou ter demorado uma eternidade para chegar em 
casa porque TEM MUITAS RACHADURAS NESSA CALÇADA.
Quando fomos morar juntos, ela disse que se sentia segura, 
como se ninguém fosse nos roubar, porque com certeza, eu tranquei a porta 18 vezes.
Eu sempre olhava para a sua boca, quando ela falava, quando ela falava, quando ela falava, 
quando ela falava, quando ela falava.
Quando ela dizia que me amava e a sua boca se curvava nos cantos.
À noite, ela deitava na cama e me assistia ligar e desligar as luzes...
ligar e desligar, ligar e desligar, ligar e desligar, ligar e desligar.
Ela fechava os olhos e imaginava que dias e noites passavam à sua frente.
Em algumas manhãs, eu começava a dar beijos de tchau nela, mas ela ia embora, 
porque estava atrasando-a para o trabalho.
Quando eu parava em frente de uma rachadura na calçada, ela só continuava andando.
Quando ela dizia que me amava, a boca dela era uma linha reta.
Ela me disse que eu estava tomando muito do tempo dela.
Semana passada ela começou a dormir na casa da mãe.
Me disse que não deveria ter deixado eu me aproximar dela, 
que tudo isso foi um erro.
Mas como pode ser um erro, 
se eu não tenho que lavar as mãos depois de tocar nela?
Amor não é um erro
e está me matando que ela consegue correr disso 
e eu simplesmente não consigo.
Eu não consigo sair de casa e achar alguém novo, 
porque eu sempre penso nela.
Normalmente, quando eu me obceco por coisas, eu vejo germes entrando na minha pele.
Me vejo esmagado por uma sucessão sem fim de carros.
E ela foi a primeira coisa bonita em que eu fiquei preso.
Quero acordar todas as manhãs pensando na maneira que ela segura o volante.
Em como ela abre o registro do chuveiro, como se fosse o de um cofre.
O jeito que ela apaga as velas, apaga as velas,apaga as velas,apaga as velas,
apaga as velas, apaga...
Agora, eu só penso em quem está beijando ela.
Eu não consigo respirar porque ela só a beija uma vez
e ele não se importa se não é perfeito.
Eu quero ela de volta, tanto...
que eu deixo a porta destrancada... 
eu deixo as luzes ligadas..."
 

Nenhum comentário:

Obrigado pela visita! Deixe aqui seu comentário e seu site/blog que retribuirei! :) Volte Sempre!

Tecnologia do Blogger.